Mary, a morena anoréxica tipo exportação!

Maryynha

Fiquei exultante e saltitante como uma gazela no cio ao receber sua última missiva! No entanto, ao checar a data da mesma, constato que ela foi escrita às vésperas do Natal! Santo Deus! Mais apreensiva fico ao ler que você veio de Veneza para degustar em Mangaratiba um peru natalino que não o de Holmes, seu amantíssimo esposo! Será que você, minha doce amiga, foi vitimada pelos desabamentos na região da Serra do Mar?

Corpo de Maryynha...

Assisitindo na GatoNet o resgate das vítimas dessa tragédia sem precedentes, percebo que encontraram o corpo de um ancião canadense com o membro ainda ereto e retesado, consequência de algum remédio genérico cedido por Mary para realizar as suas fantasiosas estrepulias sexuais escondida em nossas matas tupiniquins. Seria esse o peru natalino importado com o qual Mary estava se refastelando? Se o corpo de minha preciosa amiga for encontrado, não haverá tecnologia no Brasil capaz de identificá-lo, pois Mary nem mais arcada dentária original possui, modificada por centenas de próteses e cirurgias plásticas! Mary, Mary, Mary! Rogo aos céus que o Itamaraty traga ao Brasil os melhores arqueólogos do mundo para identificar sua múmia. Só assim seu féretro poderá percorrer as filiais de suas panificadoras, comovendo a todos até chegar ao seu jazigo perpétuo, onde descansará em paz! Em sua lápide escreverei: “Aqui jaz Maryynha, uma menina de rua sem pão que se prostituia, mas venceu na vida e conquistou uma rede de padarias.”

Tenho esperanças que tenha dado tempo de você modificar seu testamento a meu favor, trocando os míseros gramas de mortadela e baguetes que me envia como doação mensal por um autêntico presunto de Parma e alguns croissants! Isso seria o mínimo que sua generosidade poderia fazer por sua tão dedicada amiga, sua mão de vaca! Mas, avarenta, morreu por estar numa pousadinha de quinta categoria no alto de uma perigosa encosta ao invés de hospedar-se com o amante num resort de alto luxo…

Vá, querida, vá! Que seu corpo quase bicentenário descanse! Já era mesmo hora de reencanar…

Um beijo, querida.
Ravenna Lossel Di Willinsdoph

Minha doce e rechonchuda Ravenninha,

é com a mão trêmula de abstinência alcoólica que lhe traço estas emocionadas e bem traçadas linhas.

Já estou em Mangaratibaaaaaaa!!! Resolvi depois de anos e anos trocar os festejos natalinos e de reveillon no palazzo di Veneza pelo velho sobrado de família nestas terras tupiniquins.

Será uma honraria recebê-la nesta que foi a casa de vovô, que tal como você, também possuiu título de nobresa, pois foi um  dos “barões do café”.  Vovô, amigo dos “Breves, neste momento deve estar exultante sob sua lápide de mármore rosa, pois sabe que eu como sua dileta neta, estou trabalhando para preservar nossa história e brasão de família. Como você sabe, fui pioneira em aliar oo sabor e aroma do café ao estalar e sabor de um pão fresquinho, saído dos fornos de minhas padarias, indo para a chapa e sendo devorado, quero dizer: degustado pelos pobres do mundo todo. EU CRIEIIIII A MÉDIA E O PAÃO NA CHAPAAAAAAAA!!!

Minha petúnea murcha, estamos à sua espera para abalarmos as terras e praias de Mangará. Você fará a grande diferença na paisagem…

Meu bem, declinei do presunto de parma e outras goloseimas natalinas, mas você pode ter certeza de que o Peru da Sadia  estará farto em nossa mesa.

Venha logoooo!!!

Beijos em suas bochechas gordas,

Com o amor de sempre e para sempre, sua eterna amiga

Mary Brecht Holmes

Mary incapacitada para a escrita…

Maryinha, a goiabadinha do meu queijo Brie

Meu coração está desolado e partido em minúsculos cacos que rolam pelas ladeiras do Condomínio Alto São Conrado! Todos os dias, antes do funcionário dos Correios ser atacado pelos meninos do comércio informal, rogo para que ele seja portador de nova missiva sua, mas… Todo esse silêncio me leva à melancólica constatação de que minha amantíssima amiga se tornou incapacitada para a leitura e a escrita.

Não obstante usar imagens do passado, de mais de setenta anos atrás, em suas missivas, publicações e aparições públicas, todos sabemos que Maryinha não pode sequer ser classificada como uma idosa da terceira idade… Minha amiga, meu tesouro mais precioso, é a representante de uma nova classe etária: as mulheres da Idade do Carbono 14, as quais a indústria cosmética, clínicas de estética e de cirurgia plástica dedicam sua existência, nem sempre com resultados satisfatórios…

Mary

Mary na atualidade, apesar de todos os tratamentos mais contemporâneos da indústria cosmética e das descobertas da cirurgia plástica...

Mary, o que será de mim, sua amiga mais leal, que dedicou a vida ao amanho e exaltação dessa amizade tão desinteressada? Mary, estará você incapacitada para a leitura e escrita devido à senilidade? Que lazeira! Antes que seja tarde, me envie, querida, algum cobertor de pena de ganso ou outro objeto frigífugo e a cesta com fois gras, presunto de Parma e outros gêneros de primeira necessidade.

Um beijo caloroso em sua face gélida, quase  apropriada à exumação.

Ravenninha

 

 

 

 

Ravenninha

Mary está senil…

Maryinha, a fornecedora de baguetes do jet set

Todos sabemos que você tem uma idade arqueológica, só detectada através de testes de carbono 14, mas, ainda assim, sempre roguei ao Senhor para que ele, caridosamente, preservasse a sua saúde mental e mantivesse em ti algum vestígio de lucidez até que você se deite eternamente em seu féretro, o que, infelizmente, deve acontecer logo. Consternada percebo, no entanto, que minhas preces não foram acolhidas e que sua memória está irreversivelmente comprometida, darling! Como sofro por ti, oh, Deus! A moça de curvas excessivas na foto não sou eu, embora confesse que meu corpo de musa renascentista, de volume farto porém harmônico, sempre tenham lhe causado algum ressentimento.

Ravenna, musa dos grandes pintores, como Rubens

Ravenna, musa dos grandes pintores, como Rubens

Amiga, provavelmente a sua senildade a fez trocar o álbum de fotos e me confundir com uma atriz felliniana! Lembra que você colecionava cards quando sonhava em vão com o glamour da carreira artística, mesmo tendo um corpo depauperado e um rosto de pouca e recôndita beleza? Desejei muitíssimo que você se tornasse uma top model, mas, para surpresa de todos, sua longa jornada na modelagem a levou apenas a uma vaga como menina faqui, atração sexual de pouca valia no Lupanar de Madame Cacilda…

Maryinha, menina ainda, tentando a carreira de modelo.

Maryinha, menina ainda, tentando a carreira de modelo.

Querida, quando tomei conhecimento, através da GatoNet, uma empresa de tv por assinatura em franca expansão no Rio de janeiro, que Stallone filmaria sua mais nova produção em Mangaratiba, fiquei estupefata, reticente quanto à qualidade das imagens que seriam capturadas pelas lentes e penalizada com esse ator que já viveu dias de glória nas telas… Mangaratiba não era o fim que Ravenninha imaginava para o astro internacional… Se queria mostrar a miséria das praias brasileiras, por que não Sepetiba, pelo menos mais aprazível e que comprometeria menos nossa imagem?

Mangaratiba, lugarejo onde o decadente astro hollywoodiano terminou seus dias como ator...

Mangaratiba, lugarejo onde o decadente astro hollywoodiano terminou seus dias como ator...

Tendo eu uma alma filantrópica, abnegada e sempre encantada com atividades de cunho social, não me mantive indiferente à foto dos seus meninos nativos do Haiti, embora eu, como é de domínio público, prefira doar meus caridosos préstimos a jovens de tez mais clarinha… Certamente Mary se deslumbrará quando vier ao Condomínio Alto São Conrado, dadas as semelhanças dos garotos do comércio informal daqui com os habitantes do Haiti…

Mary, desde meninota, sempre teve predileção pelos afro-descendentes!

Mary, desde meninota, sempre teve predileção pelos afro-descendentes!

Mary, meu croissant com recheio de creme de ervas aromáticas, pensa que não recordo de você, nos tempos de menina de rua, franzina e mal cheirosa, vagando pela ruas do centro do Rio de Janeiro, descalça, mas sempre pronta a fazer o bem, não importando a quem? Sempre repito: que alma nobre e generosa tem Mary, mesmo quando desprovida de qualquer bem material! E agora que o destino, impulsionado por alguns golpes do baú bem sucedidos, lhe sorriu, Mary continua a mesma, humilde e disposta a dar a mão – e não só! – ao próximo. Principalmente se o próximo for um afro de medidas avantajadas!

Oh, Mary, minha amiga Mary! Rogo aos céus, com as mãos postas em forma de prece, que você não confunda mais as imagens e os acontecimentos para que possamos manter a nossa correspondência privada… Será que não há no mercado um cosmético revolucionário, capaz de reverter ou retardar o envelhecimento das células cerebrais? Força, meu bem, força!

Um beijo em sua face pálida e com cheiro de pó de arroz Promessa.

Carmen

 

 

 

 

 

Ravenna Lossel Di Willinsdorph

Minha Fofucha…

Não caibo de contentamento em receber suas carinhosas missivas.

Seu cuidado prestimoso com minha tez murcha e precisando de retoques, fez-me lembrar de nossos áureos tempos de juventude. Tempos um pouco difíceis para vc correr como uma lebre louca pelos campos dos Willinsdorph, pois àquela época, dada a fartura das mesas do Império Austro-Húngaro e você sem conseguir “costurar boca”, acabou saindo um “bocadinho” da forma… E ainda bem que logo um tempo depois, com a “queda” de seu império, vc acabou fazendo, ainda que forçadamente, uma cirúrgia hiperbárica psicológica.

Mas nunca esquecerei de suas formas tão delicadamente roliças e mimosas. Tirei esta foto do álbum para celebrarmos estes tempos.

ravenninha

 

E já que estou a mexer no álbum, seguem algumas fotos de minha estada no Haiti. Quanta diversidade!!!

KAIKO BEACH

KAIKO BEACH

 

Hotel onde me hospedo no Haiti

Hotel onde me hospedo no Haiti

 

Nossos "meninos" trabalhando lindamente!!!

Nossos "meninos" trabalhando lindamente!!!

 

Os meninos do Haiti

Os meninos do Haiti

 

Meu trabalho social

Meu trabalho social

Em próximas correspondências lhe envio mais fotos deste encantador Haiti.

HAITI 7

Hoje, assistindo ao noticiário internacional, percebi encantada a evolução que está acontecendo com os serviços de saúde deste nosso querido país.

O SUS realmente está se superando e deve ser exemplo para o mundo. Nem acreditei quando recebi a informação de que um paciente deu entrada num serviço de odontologia para extrair dois dentes e a equipe fez um serviço completo, arrancando-lhe todos os outros.

desdentado_2

E por falar em imprensa internacional, os maiores jornais do mundo estão excitadíssimos com os últimos acontecimentos desta nossa cidade tão maravilhosa. Queda de helicópteros, violência, invasão de favelas… Creio que eles imaginam que toda esta movimentação seja a complementação de algumas cenas do último filme do Stallone – “The Expendables” (Os Mercenários)…

stallone_em_mangaratiba

Sylvester Stallone

… rodado num vilarejo da Costa Verde chamado Mangaratiba… E apesar de todo este bebuliço, o Financial Times diz em reportagem de hoje que o Brasil é a potência do Século XXI.

financial times

Quem viver ou sobreviver verá, amiga!!!

E eu verei!!! Pois estou pensando seriamente em aproveitar esta crise mundial e a desvalorização do dólar, para abrir algumas unidades de nossas padarias aí no Brasil. Naturalmente que com produtos mais genéricos, substitiuindo as tradicionais baguetes por pães de sal de 50 gramas, o fois grãs pelo econômico patê de fígado e o presunto de Parma ficará honradamente substituído pela mortadela.

pão

Linda, não fique chocada, mas você será a primeira amiga a experimentar gratuitamente estes itens de nossa especial cesta de primeiras necessidades gastronômicas.

Respondendo a sua pergunta, Veneza nesta época do ano está tão “To be or not to be e vai avião vai! Cai!!”, plagiando nosso fenomenal autor absurdo Jean Tardieu, que Holmes e eu decidimos passar alguns dias esquiando e desfrutando de esportes de inverno em St. Tropez, no tradicional Cresta Run

CRESTA RUN

CRESTA RUN 1

 

CRESTA RUN 3

 

…E enquanto isso, fazemos uma pequena reforma em nosso pallazo…

palazzo

… Hum, estou pensando em mandar pintar a abóbada de cor de rosa, para combinar com meu novo helicóptero. O que você acha (interrog).

Agora mesmo, encerrando esta missiva, Madonna acaba de me ligar, pedindo para passar uns dias aqui em casa, pois rolou um barraco com a vizinha de apartamento por causa do barulho dos ensaios… E ela pra não quebrar a cara da vaca, está querendo “dar um tempinho” por aqui… Ai, será ótimo!!! E ela virá com o Jesus…

Será que a vaca vai encarar o "muque"

Será que a vaca vai encarar o "muque"

Beijo carinhoso em suas bochechas adiposas.

 vera loyola

Quando o carteiro chegou…

Mary, minha cocadinha veneziana

Quando o carteiro chegou, com sua carta na mão, fiquei exultante, saltitante como as lebres que povoavam o jardim da Mansão dos Willinsdorph nos áureos tempos… Saudosa estava eu de nossa correspondência íntima! Elas são a única forma de exercitar essa língua tupiniquim, já que os rapazes dos quais sou preceptora não possuem mais que sete palavras em seu vasto repertório vocabular e as usam para todos os fins, mudando apenas a inflexão e alguns gestos enfatizadores.

Querida, não se assuste com os últimos acontecimentos ocorridos aqui na cidade maravilhosa. Nada disso é novidade por aqui e já nos habituamos com o fato de que não é só chuva que cai do céu. Helicópteros também! Isso já é tão corriqueiro que o Secretário de Segurança comparou os armamentos que alvejaram com precisão o helicóptero da polícia com os utilizados no Vietnã e na guerra das Malvinas. Viu como tudo isso é banal, meu anjo? Não se preocupe, meu Ganache de chocolate amargo! Você também se habituará, como todos os habitantes desse país tropical e por Deus abençoado! Além disso, escalei a ladeira rumo à mais alta mansão do Condomínio Alto São Conrado para comunicar ao patrão dos comerciantes informais que, acaso avistem no céu o seu veículo voador rosa, não estarão vislumbrando um disco voador,  tampouco estarão desfrutando dos efeitos do produto que comercializam, mas tendo a honra de testemunhar a nova aquisição de minha amiga Mary! Venha visitar-me sem medo de ser alvejada e cair no solo como uma pomba decrépita!

Mas, Mary, por que não me mandou um sinal de fumaça relatando que iria em missão ao Haiti? Como amiga prestimosa e dadivosa, teria eu tomado o seu lugar de bom grado! Minha herança tradicional de família me faz abraçar causas nobres e apoiaria com toda a minha gentileza e generosidade os bravos representantes do Exército Brasileiro. Só não aceitaria o papel de coadjuvante ou mera colaboradora! Ravenninha, essa mulher que vos escreve, daria conta de todos os soldados sozinha!

Aguardo com ansiedade a sua visita, mas preciso lhe dizer algo: não aceitarei nenhuma ajuda filantrópica no meu trabalho como preceptora, caso decida estender muito sua estada no Alto São Conrado. Recebi na semana passada a nossa amantíssima e venerável amiga Paris Hilton e, na primeira tentativa de colaboração, pedi que retornasse a seu país, sem deixá-la sequer despir a alça do soutien. Já me basta o duvidável comportamento dos rapazes dos dias atuais, que, quase sempre promovem lutas marciais entre si e acabam por esfregar com sofreguidão sua pele na do outro, como num antropofágico ritual metrossexual. Saudades do tempo em que o mundo era mais simples, dividido entre heteros e homos, mocinhos e bandidos, crespos e lisos…

Meus meninos com uniforme de aula...

Meus meninos com uniforme de aula...

As crianças acima não te remetem a uma atmosfera lúdica e encantadora? Diante deles, tenho desejo de repetir a frase do ilustre fotógrafo brasileiro Alair Gomes que, diante da escultura Davi, de Michelângelo, suspirou: “Sinto-me, então, como se estivesse diante de um adolescente extraordinariamente esplendoroso que, de boa vontade, consentiu em posar pra mim, desnudo, o que me desvanece.” Alair, que assim como eu tinha obsessão pelo corpo masculino, tem agora no Paço uma retrospectiva de suas fotos, após mostra em várias galerias européias. Irei agora mesmo ao Paço, amiga… Pela arte de Alair, claro!

Tomara que a cesta básica com as baguetes, fois grás e presunto de Parma não tarde a chegar… Se a crise financeira mundial abalou os alicerces seus, imagine só os fragilizados economicamente, como eu, que sequer construímos casas com alicerces? Confesso, amiga e confidente, que invejei os olhos de cabra e ovos galados degustados por participantes de um programa na televisão brasileira…

Que tal Veneza nessa época do ano? Aqui, no Condomínio Alto São Conrado, Rio de Janeiro, já não sabemos em que estação estamos, tal a confusão climática. Saudades da Europa e dos sinais deixados no ambiente, diferentes a cada estação…

Saudações para o Holmes, seu último marido e uma bitoca em sua testa, tão murcha e necessitando de uma repaginada.

Carmen

 

 

 

 

 

Ravenninha

Minha doce Ravenninha, a “cocada” da Rocinha… ops! Desculpe, do “Alto São Conrado…

Querida, também estou emocionada em poder voltar a desfrutar desta nossa peculiar maneira de nos comunicarmos… Nstes anos de silêncio não aconteceram muitas coisas relevantes, não. Holmes continua com suas investigações. Eu, me exilei voluntariamente no Haiti, dando algum auxílio logístico aos “meninos” do exército brasileiro… Muitas vezes lembrei-me de você durante minha estada no Haiti, pois tenho a certeza de que Ravenninha iria adorar colaborar nesta empreitada… Agora já estou de volta à Veneza, e por aqui sem muitas novidades. Apenas estive agora em setembro no Festival de Cinema e fiquei muito orgulhosa por meu amigo Samuel Maoz ter conquistado o Leão de Ouro com seu filme “Lebanon”. Um luxo só!!! seu discurso de agradecimento e seu manifesto pacifista: “No momento em que pararmos de matar, paramos a guerra. Sei que parece ingênuo dizer isso, mas queremos abrir as mentes das pessoas para que se perguntem a que ponto chegaremos se não pararmos agora. Viva a arte do cinema, viva a Bienal, viva Veneza!”.

E por falar em guerra, como está a situação aí pelo Alto São Conrado. Lembre seus amigos comerciantes informais, que se virem um helicóptero cor-de-rosa, sobrevoando o alto, que não abatam, pois serei eu indo lhe fazer uma visitinha surpresa.

Sua “Cestinha Básica” já está seguindo pelo correio. Espero que você não fique tristinha, mas em decorrência desta  ‘CRISE’ que assola o mundo, precisei substituir alguns itens por produtos mais “genéricos”.

Beijinhos em suas bochechas rechonchudas.

Mary Brecht Holmes

Primeira missiva à Mary

Mary

É com os olhos mareados que escrevo a você, amiga querida, minha primeira missiva após tantos anos de silêncio, desde que o carteiro foi impedido de subir as ladeiras do Condomínio Alto São Conrado pelos “comerciantes infomais”. Agora, com a certeza da Copa do Mundo e das Olimpíadas no Rio de Janeiro, os governantes fizeram um acordo com os citados comerciantes para que os serviços públicos voltem a funcionar por aqui.Você sabe, querida, que o Rio de Janeiro há muito voltou na história e está dividido em Capitanias Hereditárias, onde o poder é repassado aos “membros de famílias” quando os patriarcas falecem.

Mas estou exultante com esse retorno à nossas correspondências privadas! E aproveito esse primeiro contato para solicitar que você volte a me enviar a cesta com produtos de primeira necessidade de sua padaria, que tanto me fazem falta, como baguetes, fois grás, presunto de Parma e queijo camembert. Você lembra, apesar de estar casada com o velho Holmes, como esses meninos dos quais sou preceptora tem apetite, sempre prontos para uma segunda boquinha! Delícia!

Aguardo com ansiedade uma missiva sua. Um beijo em suas bochechas rosadas e retocadas com botox.

Ravenna

Carmen 2

Hello world!

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.